sábado, 27 de dezembro de 2014

MAGNETI MARELLI IAW - 1AB PALIO 1.6 - 16V


MAGNETI MARELLI
IAW - 1AB 

PALIO 1.6 - 16V
  
Este sistema de injeção é um sistema digital multiponto com varias válvulas injetoras no caso quatro do tipo semi seqüencial. Possui ignição estática não possui distribuidor. A determinação da quantidade de ar admitida pelo motor se dá em função da sua rotação e da densidade de ar, sendo esta calculada pela pressão absoluta no coletor de admissão MAP e pela temperatura do ar.
  • O corpo de borboleta fica instalado junto ao coletor de admissão. As válvulas injetoras montadas no coletor de admissão, realizam a injeção do combustivel. Possui um computador central chamado CENTRALINA analisa informações vindas de vários sensores depois processa e comanda diversos atuadores.
  • Este sistema de injeção possui autodiagnose de defeitos . Identificando um eventual problema, um sinal visual (luz de anomalia) é acesa no painel de instrumentos.
  • O defeito pode ser identificado através do uso de um SCANNER.
 Este sistema possui as seguintes funções.
+ Função autoadaptativa -{o sistema se ajusta em função do desgaste do motor}.
+ Limitador de rotações - {através de redução nos tempos de controle das válvulas injetoras}.
+ Correção barométrica - {cada vez que o motor é ligado e em determinadas condições de funcionamento}.
+ Controle de detonação.
+ Recuperação do vapores de combustivel.
+ Controle de gases de combustão.
+ Ligação com sistema de ar-condicionado.
+ Ligação com o sistema FIAT CODE.


A diagnose deste sistema de injeção pode ser feita através da obtenção dos códigos de falhas armazenados em sua memória. Estes códigos podem serem obtidos com o uso de um SCANNER. O SCANNER deverá ser ligado ao ALDL (conector de diagnóstico) do veiculo. Para eliminar os códigos de falhas é necessário o uso de um SCANNER. Somente apagar os códigos após o conserto do defeito.



Para o funcionamento do motor é necessário que haja sempre centelha nas velas e injeção de combustivel. 1 - Se não houver centelha e houver injeção Z verifique o sistema de ignição.
2 - Se houver centelha e não houver injeção Z verifique o sistema de alimentação de combustivel
3 - Se não houver centelha nem injeção Z verifique os fusíveis, relés, sensor de rotação, suas conexões e fiação.

À esquerda do pedal de embreagem
SINTOMA
POSIVEIS DEFEITOS.
MOTOR NÃO PEGA
1 . Filtro da ar e sua tubulação (obstrução ) . 2 . Tubulação de escape (obstrução ) .
3 . Sistema de alimentação de combustivel.
4 . Alimentação da unidade central (Centralina)
5 . Carga da bateria 
6 . Sistema de ignição.
7 . Sensor de rotação
8 . Relés fusíveis.
MOTOR DIFÍCIL DE PEGAR
1 . Sensor de temperatura da ar . 2 . Sensor de temperatura de água .
3 . Sistema de ignição 
4 . Sistema de alimentação de combustível 
5 . Carga da bateria.
6 . Sistema de ignição.
7 . Fusível e relés do sistema de injeção e da bomba . 
8 . Sensor de rotação.
MARCHA-LENTA IRREGULAR
1 . Sonda lambda 2 . Sensor de temperatura de ar 
3 . Sensor de temperatura de água . 
4 . Sistema de alimentação de combustível .
5 . MAP
6 . Corretor da marcha-lenta (motor de passo ) 
7 . Entrada falsa de ar no coletor de admissão . (estanqueidade).
MARCHA LENTA MUITO ALTA
1 . Carga da bateria 2 . Sensor de temperatura do ar .
3 . Sensor de temperatura de água .
4 . Corretor da marcha-lenta (motor de passo )
FALTA DE POTÊNCIA NO MOTOR
1 . Alimentação da unidade central (Centralina) 2 . MAP
3 . Sistema de alimentação de combustível .
4 . Sistema de ignição 
5 . Carga da bateria 
6 . Tubulação de escape (obstrução)
7 . Filtro de ar e sua tubulação (obstrução).
MOTOR FALHANDO
1 . Map 2 . Válvula injetora 
3 . Sistema de alimentação de combustível
4 . Carga da bateria .
5 . Sistema de ignição.
CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL
1 . Alimentação da unidade central (Centralina). 2 . Sonda lambda . 
3 . Sensor de temperatura do ar .
4 . Sensor de temperatura de água 
5 . Sistema de alimentação de combustível 
6 . Carga da bateria .
7 . Tubulação de escape (obstrução )
8 . Filtro de ar e sua tubulação (obstrução ).


A . A COMO TESTAR SENSORES

TESTANDO
1 - Ignição ligada , motor parado , PONTA DE PROVA no fio (preto ) do sensor ligado ao pino 17 da centralina .Negativo (-).
2 - Ignição ligada , motor parado MULTITESTE DIGITAL modo voltimetro no fio (verde / branco ) do sensor ligado ao pino 47 da centralina .dados abaixo ( entre 80 °C e 90 °C de 0,3 a 0,5 V ).

Temperatura (°C)
100
90
80
60
30
Tensão (V)
0,3
0,4
0,5
1,7
2,5
Resistência W
200
250
300
600
2500


TESTANDO
1 - Motor funcionando , PONTA DE PROVA no fio (marrom / branco ) da sonda . Positivo (+) ( 12 V ) .
2 - Motor funcionando , PONTA DE PROVA no fio ( preto / verde ) da sonda . Negativo (-) .
3 - Ignição desligada , desconectar a sonda do chicote . Com o MULTITESTE DIGITAL, medir resistência de aquecimento da sonda medir através dos terminais3 ou 4 do conector .Resistência 4,3 a 4,7 ohms.
4 - Motor funcionando , PONTA DE PROVA no fio (violeta) da sonda . Negativa (-).
5 - Motor funcionando e aquecido ,MULTITESTE DIGITAL ( modo voltimetro ) no fio (azul) da sonda ( ligado ao pino 22 da ECU). Acelere o motor várias vezes .Tensão deve ficar oscilando entre 0,1 V e 0,9 V.


TESTANDO
1 - Ignição desligada , desconectar o sensor da chicote . Com o MULTITESTE DIGITAL no modo ohmimetro , medir resistência do sensor . Resistencia da 575 a 750 W ( a 20 °C ) .
2 - Medir distância entre sensor e roda dentada (utilizar um calibrador ) . 0,5 a 1,5 mm.
3 - Conectar o sensor ao chicote. Instalar o MULTITESTE DIGITAL com a garra (gafanhoto) no fio (branco) ligado ao pino 46 da centralina. Selecionar modo VAC tensão alternada no MULTITESTE DIGITAL. dar partida no motor > Deve indicar um valor entre 1 e 3 VAC em marcha lenta.


TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA o fio (preto ) ligado ao pino 53 da centralina > Negativo (-).
2 - Ignição ligada, motor parado, MULTITESTE DIGITAL (modo voltímetro ) no fio (rosa) ligado ao pino 16 da centralina.Tensão de 5,0V ±5%.
3 - Ignição ligada, motor parado, MULTITESTE DIGITAL (modo voltímetro ) no fio (laranja ) ligado ao pino 23 da centralina. Gire lentamente o eixo da borboleta até o final. As leituras devem estar de acordo com a dados abaixo. A variação de tensão entre Fechada e aberta deverá ser linear.

POSIÇÃO DA BORBOLETA
TENSÃO (v)
BORBOLETA FECHADA
0,4 A 0,7
BORBOLETA TOTALMENTE ABERTA
4,0 A 5,0


TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (preto ) ligado ao pino 17 da centralina. Negativo (-).
2- Ignição ligada, motor parado, MULTITESTE DIGITAL modo voltímetro no fio (marrom ) ligado ao pino 29 da centralina. dados abaixo.

TEMPEARATURA °C
80
60
50
30
20
TENSÃO V
0,8
1,3
1,7
2,5
3,2
RESISTENCIA W
400
700
1250
2500
4000


TESTANDO
1 - Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (preto ) ligado ao pino 17 da centralina. Negativo (-).
2 - Ignição ligada, motor parado, MULTITESTE DIGITAL modo voltimetro no fio (branco / azul ) ligado ao pino 34 da centralina .Tensão de 5,0V ± 5%.
3 - MULTITESTE DIGITAL modo voltimetro no fio (azul /amarelo ) ligado ao pino 14 da centralina. Conector a bomba de vácuo no sensor MAP e aplicar vácuo. Leituras de acordo com dados abaixo.

Vácuo mmHg
0
100
200
300
400
500
Tensão V
4,2
3,4
2,7
2,0
1,4
0,5


TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (preto ) ligado ao pino 53 da centralina . Negativo (-).
2- Mesma situação anterior, MULTITESTE DIGITAL modo voltímetro no fio (vermelho ) ligado ao pino 16 da centralina. Tensão de 5,0 ± 5 %.
3- PONTA DE PROVA ligada no fio (branco ) ligado ao pino 11 centralina. Dar partida no motor. Os leds devem piscar durante a partida e em funcionamento.


TESTANDO
1 - Igniçào ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (preto ). Negativo (-).
2 - ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (marrom /branco). Dar partida no motor. Positivo (+) durante a partida ou com o motor funcionando.
3 - Levantar uma das rodas dianteiras do veículos. PONTA DE PROVA no fio (amarelo ) ligado ao pino 28 da centralina. Girar a roda. Os leds devem piscar enquanto a roda girar.

B . COMO TESTAR ATUADORES .

TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (marrom / branco ) de cada válvula injetora. Positivo (+) 12V.
2- PONTA DE PROVA nos fios ligados aos pinos 1 ( cinza / marrom), 2 (cinza, amarelo ), 38 ( cinza, azul ) e 39 (cinza / verde) da centralina . Dê partida o motor. Led (verde ) pisca durante partida ou com motor funcionando
3- MULTITESTE DIGITAL modo ohmimetro, medir resistência das válvulas injetoras. Resistência de 13 a 17 W .

TESTANDO
1-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA em cada um dos fios ligados ao motor de passo. Dar partida no motor. Os leds deverão piscar alternadamente quando for dada a partida e quando ocorrer variação na marcha lenta .
2- Ignição desligada, desconecte os terminais do conector do motor de passo. Medir a resistência elétrica dos enrolamentos com o multiteste digital. Deve estar de acordo com a dados abaixo.


Medição entre Terminais
3 e 21
20 e 40
3 e 20
21 e 40
com a carcaça
Valor medido W .
40 a 60
40 a 60
EEE (isolado)
EEE (isolado)
EEE (isolado)


TESTANDO
1- Centelhador colocado na bobina .Dar partida no motor. Centelha forte (mínimo 2 cm ) durante partida.
2- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (marrom /preto ). Dar partida no motor. Positivo (+) 12V durante a partida e ou com o motor funcionando.
3- PONTA DE PROVA no fio (branco / verde ) ligado ao pino 37 da centralina ou ( branco, preto ) ligado ao pino 55 da centralina. Dar partida no motor. Led (verde ) deve piscar durante partida ou com motor funcionando.
4- Ignição desligada, MULTITESTE DIGITAL no modo ohmímetro, medir resistência do primário ( entre os terminais laterais e o terminal central do conector ) e do secundário da bomba entre as saídas para as velas . Primário 0,5 W a 0,8 W . Secundário : 8,0 kW a 12 kW .  


TESTANDO
1- PONTA DE PROVA no fio (marrom/branco) da bomba. Dar partida no motor > positivo (+) 12V durante partida
2- Ignição ligada, motor parado PONTA DE PROVA no fio (preto/violeta) da bomba> Negativo (-).


Bomba funcionando: testar pressão do sistema
TESTANDO
1- Despressurizar o sistema: ignição desligada, retire o conector da bomba e dê partida no motor por alguns segundos. Após despressurizar, reinstale o conector. Instalar manômetro na linha de entrada de combustível. Dar partida no motor>Pressão de 2,8 a 3,2 bar com motor funcionando.
2- Motor funcionando, feche a válvula de passagem> pressão deve ter até um mínimo de 5 bar.


TESTANDO
1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio (violeta) da válvula. Dar partida no motor> Positivo (+) 12V durante a partida e/ou como motor funcionado.
2- Ignição desligada, desconectar a válvula do chicote. Com MULTITESTE DIGITAL, medir resistência elétrica entre os terminais da válvula > Resitência entre 20 e 30O .
3- Motor funcionando, aquecido MULTITESTE DIGITAL modo duty-cycle no fio (rosa) ligado ao pino 24 da centralina. Acelerador o motor algumas vezes> Leitura deve oscilar entre 30% e 70% por alguns instantes.

C . COMO TESTAR AUXILIARES

TESTANDO
1- Ignição, PONTA DE PROVA nos terminais 3,8,11,15 do relé > positivo (+).
2- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA nos terminais 1, 7 e 12 do relé> positivo (+)
3- PONTA DE PROVA nos terminais 1,3,4,5,6,8,11,12,13 e 15. Dê partida no motor> Positivo (+) durante partida ou como motor funcionando.
4- PONTA DE PROVA no terminal    10 do relé. Dê partida no motor> negativo (-) durante partida ou com o motor funcionando.

D . COMO TESTAR UNIDADE DE COMANDO

TESTANDO
1- Ignição, desligada PONTA DE PROVA no fio (vermelho/branco) ligado ao pino 35 da centralina> Positivo (+)
2- Ignição, ligada, motor parado PONTA DE PROVA no fio (laranja) ligado ao pino 13 da centralina> Positivo (+)
3- Ignição, desligada PONTA DE PROVA nos fios ligados aos pinos 36 e 54 > Negativo (-)

COMO FUNCIONA
1- A central Code possui dois conectores, um de 8 terminais e outro de 3 terminais, e está localizada próximo ao cilindro de ignição. No Pálio, o fusível de 5A encontrase-se fixado próximo à coluna do amortecedor lado esquerdo, enquanto que o fusível de 10A está presente na caixa de fusíveis.


SUBSTITUINDO
1 - É necessário ter a chave Mestra ( Vermelha ou Marrom) para efetuar a troca em mãos.
2 - Proceda normalmente a troca do Cilindro de Ignição.
3 - Reuna todas as Chaves do veiculo ( uma chave Mestra Vermelha e duas chaves Novas Azuis)
4 - Abrir com uma chave de fenda a futura chave mestra. No interior encontrara uma pequena peça de cor Grafite é o Transponder - retire-o e guarde em algum lugar.
5 - Retire o antigo transponder da chave mestra a Vermelha e monte este transponder na futura chave mestra atenção com a posição de montagem tem de ser igual.
6 - Feche a nova chave mestra e proceda a codificação das novas Chaves.

01
Reuna todas as chaves a serem codificadas uma mestra (Vermelha) e no mínimo 2 Azuis
02
Insira a Chave mestra Vermelha e vire a Chave para posição MAR.
03
A Lâmpada de falha do CODE irá se acender mas logo em seguida apagará.
04
Logo que a Lâmpada CODE se apague retire a chave mestraVermelha num prazo máximo de 2 segundos.
05
Após retirar a Chave Vermelha, insira a 1° chave Azul e vire a Chave de ignição para a posição MAR em um prazo de dez segundos (10s).
06
A Lâmpada de falha do CODE irá se acender mas logo em seguida apagará.
07
Remova a 1° chave e introduza a 2° chave obedecendo os prazos de 2s para remover e 10s para introduzir a próxima chave.
08
Vire a 2° Chave de ignição para a posição MAR a lâmpada indicadora do CODE irá se ascender e logo em seguida se apagará.
09
Repetir o procedimento para as demais chaves até no máximo sete 7 chaves.
10
Após a ultima chave ser codificada introduza novamente a chave mestra Vermelha e vire para posição MAR.
11
A lâmpada indicadora CODE ira se acender e logo em seguida ira se apagar. Finalizando a codificação.
12
Checar todas chaves codificadas.

01
Se o sistema não conseguir desativar o bloqueio do motor, as lâmpadas de emergência do sistema FIAT CODE e da Injeção Eletrônica permanecem acesas e o motor não dá partida deve-se recorrer a partida de emergência.
02
Ler o Código eletrônico de 5 digitos indicado no CODE CARD é um cartão identico a um cartão de crédito que acompanha o veiculo sem este não é possivel realizar a partida de emergência
03
Girar a Chave de ignição para posição MAR sem dar partida.
04
Provocar e manter um abertura total da borboleta de aceleração. A lâmpada de injeção eletrônica acende-se por cerca de 8 segundos e, em seguida apaga-se:
05
Soltar, então, o pedal do acelerador. A lâmpada da injeção começará a piscar intermitentemente.
06
Conte as piscadas da lâmpada de injeção e quando atingir o número corresponde ao primeiro dígito do CODE CAR, aperte novamente o pedal do acelerador para interromper as piscadas da lâmpada.
07
Mantenha o pedal do acelerador acionado até a lâmpada da injeção se acende e depois se apague.
08
Solte novamente o pedal do acelerador para poder introduzir o segundo dígito de CODE CAR. A lâmpada voltará a piscar e quando atingir o número correspondente ao segundo dígito interromper novamente a sequência de piscadas abrindo totalmente a borboleta aceleradora.
09
Proceder da mesma para os outros digitos.
10
Quando tiver introduzido a 5° dígitos, logo após Ter soltado o pé do acelerador depois que a lâmpada se apagou; um lampejo rápido da lâmpada de injeção confirmará da que a operação foi efetuada corretamente.
11
Sem voltar a chave para a posição STOP, dar partida ao motor;
Se ao contrário, a lâmpada de injeção permanecer acesa, gire a chave para STOP e repita toda a operação . Certificado-se também do perfeito funcionamento do sensor de posição da borboleta.
O procedimento de partida de emergência deve ser repetida a cada partida.